Fechar
Play Video

Biden enxerga no multilateralismo a forma de EUA liderarem o mundo

DEBATEDORES | Thiago de Aragão

A transição presidencial dos Estados Unidos, com Donald Trump sendo sucedido por Joe Biden na Casa Branca, deve marcar uma mudança de política externa, na qual o presidente eleito, em vez de conduzir o país de forma apartada do mundo, buscará fortalecer as alianças e o multilateralismo, a fim de reafirmar uma ideia de liderança norte-americana em todo o planeta. Esta é a análise do sociólogo, internacionalista e diretor de estratégia da Arko Advice, Thiago de Aragão.

Em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, Aragão sintetiza que, no que diz respeito à política internacional do próximo presidente norte-americano, “a palavra é reconstrução”. Ele salienta, contudo, que Biden deve mudar a forma, mas não necessariamente o conteúdo da política conduzida pelo atual governo.

“Trump via os Estados Unidos tão poderosos que pensava que o país devesse agir sozinho. Já Biden vê que o poder dos Estados Unidos está em trazer e angariar um corpo maior de aliados para tratar de determinados temas”, diferencia. “Biden tem uma visão multilateral do mundo. Ele entende que o mundo se forma com alianças com as quais os Estados Unidos devem estar na liderança”, complementa.

Aragão, também pesquisador sênior do Center for Strategic and International Studies (CSIS), sediado em Washington D.C. (Estados Unidos), indica que Biden tem uma integração maior com a legenda pela qual foi eleito, o Partido Democrata, do que Trump com o Republicano. Por isso, espera-se que as decisões de política externa sejam tratadas de maneira mais cautelosa e menos impulsiva.

“A noção de reality show em cima da política externa vai diminuir, senão desaparecer”, projeta. “O fato de ficar mais submersa pode dar a impressão no público geral de que é uma política menos robusta, mais frouxa ou, talvez, não tão constante”, avalia.

Independentemente do estilo do presidente eleito, Aragão destaca que a política de contenção tecnológica da China continuará. “Na percepção de Biden, ele acredita que quanto maior for a rede de alianças multilaterais pressionando a China sobre este tema, mais fácil será ter algum resultado. (…) Biden tem plena noção de que, tecnologicamente, a China é uma ameaça aos Estados Unidos e de que, comercialmente, deveria comprar mais dos norte-americanos”, pontua.

Relação entre Brasil e Estados Unidos

Aragão explica que as relações bilaterais são divididas entre os setores governamental e privado. Com isso, apesar da predileção do presidente Jair Bolsonaro por Donald Trump em detrimento de Joe Biden, “no setor privado, a relação dos dois países vai seguir muito sólida”.

“O nosso mercado financeiro é profundamente integrado ao norte-americano. Temos indústrias norte-americanas há muitas décadas no Brasil e empresas dos Estados Unidos que fazem parte do imaginário brasileiro, como Apple, Microsoft, Amazon, Netflix, entre outras”, reforça.

No campo governamental, a despeito de o governo brasileiro ainda não ter reconhecido a vitória de Joe Biden nas urnas, o sociólogo acredita que as chances de atrito entre os chefes de Estado são mínimas. “Isso pode incomodar muita gente, mas o Brasil não é uma das dez ou 15 prioridades de Biden ou de qualquer outro presidente americano”, conclui.

Assista na íntegra! Inscreva-se no canal UM BRASIL.

Mais Vistos
Fique por dentro de todo conteúdo
UM BRASIL
Assina a Newsletter um Brasil