Fechar
Play Video

Igualitarismo e relações sociais no Brasil

DEBATEDORES | Roberto DaMatta

O antropólogo e professor Roberto DaMatta fala sobre igualitarismo, coletividade, cultura e relações sociais, mostrando caminhos para possíveis avanços, durante entrevista ao UM BRASIL.

Segundo ele, os brasileiros ainda vivem regidos pelos valores de uma sociedade aristocrática e hierárquica. “A vinda da família real portuguesa ao Brasil trouxe ao nosso País um sentimento muito forte de aristocracia. O Brasil, de repente, deixou de ser uma colônia e virou o centro de um império colonial português. Esse sentimento sobrevive entre nós. Quem quer ser comum numa sociedade aristocrática? A nossa bússola de navegação social é querer ser barão. Ninguém quer ser um joão-ninguém; todo mundo quer ser alguém. Essa oposição entre alguém e ninguém é o que gerou o ‘você sabe com quem está falando?’, o ‘jeitinho’ brasileiro, que são reações anti-igualitárias”, avalia.

Roberto DaMatta chama a atenção para a sensiblidade do brasileiro em observar “roupas, detalhes, gesticulação, modo de falar, maneira de segurar o talher”, embutida na cultura aristocrática. “Ser comum é ser inferior. Em uma sociedade desse tipo, é muito difícil falar em democracia igualitária, onde todos têm direitos e deveres iguais, onde somos todos iguais perante a lei, porque, nas sociedades aristocráticas, as pessoas não eram iguais perante a lei”.

Segundo ele, essa dificuldade é visível no ditado “aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei”. Para o antropólogo, o Brasil precisa começar a viver mais a agenda republicana e igualitária, onde todos são iguais. “Não importa qual seja sua profissão, seu cargo, você tem que parar no sinal vermelho”, exemplifica.

Mais Vistos
Fique por dentro de todo conteúdo
UM BRASIL
Assina a Newsletter um Brasil