Fechar
Play Video

Brasil precisa de políticas de Estado para mulheres

DEBATEDORES | Ana Fontes

Extenuadas com o trabalho doméstico, vítimas de violência dentro do próprio lar, principal alvo de demissões e negligenciadas como empreendedoras. De acordo com a fundadora da Rede Mulher Empreendedora, Ana Fontes, somente políticas de Estado têm a capacidade de mudar a realidade do que é ser mulher no País – condição, inclusive, agravada sobremaneira durante a pandemia de covid-19.

Em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, Ana reivindica a adoção de um programa de transferência de renda para a população feminina. “Hoje, no Brasil, temos 6 milhões de mulheres que são mães solo e sustentam a família, os filhos e a casa somente com os recursos que produzem. Então, seria importante ter uma política de Estado que dê renda diretamente a essas mulheres, como o auxílio emergencial – não tem outra forma de fazer isso”, afirma.

Também delegada líder do Brasil no W20 – grupo de engajamento do G20 com foco em equidade de gênero –, Ana destaca que, além de terem mais dificuldades de recolocação no mercado de trabalho, as mulheres, quando optam por empreender, encaram mais obstáculos para obter crédito, sintoma de uma cultura que ainda vê o ambiente financeiro como predominantemente masculino.

“A nós nunca foi ensinado que o ambiente do dinheiro é feminino, sempre foi ensinado que era masculino. Por isso, muitas mulheres acham que não podem cuidar do dinheiro; elas têm um receio em relação à educação financeira”, avalia.

De acordo com Ana, mudar essa realidade é premente, tendo em vista que “40% das empreendedoras têm o próprio negócio como única fonte de renda para botar comida dentro de casa”.

“[Uma política de] geração de crédito diferenciado para mulheres donas de pequenos negócios é muito importante para conseguirmos diminuir esta situação”, aponta. “Também é preciso fazer uma campanha educativa para mostrar a questão da violência doméstica como uma situação extremamente difícil e que precisa ser combatida. Não vemos uma campanha de Estado sobre isso”, critica.

Justiça social, inovação e economia

Ana salienta que, além de a população feminina ser maioria no Brasil (51,5%), 80% das decisões de compra são feitas ou influenciadas por mulheres. Desse modo, diz que as empresas que não promovem a diversidade deixam de ganhar em economia e inovação.

“Costumo falar, há alguns anos, que olhar para a diversidade tem um ponto fundamental relacionado à justiça social. (…) Quando você junta as três coisas – justiça social, inovação e economia –, fica parecendo muito estúpido não olhar para a diversidade como algo estratégico”, ressalta.

Assista na íntegra! Inscreva-se no canal UM BRASIL.

Mais Vistos
Fique por dentro de todo conteúdo
UM BRASIL
Assina a Newsletter um Brasil