Fechar
Play Video

Empresa inteligente alia inovação e gestão digital enxuta

DEBATEDORES | Adriana Aroulho

A arquitetura de uma empresa inteligente está fundamentada em um sistema de gestão digital enxuto, padronizado e de última geração, capaz de sustentar o crescimento com governança, resiliência, escalabilidade e segurança – pondera Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP. A SAP é uma empresa com forte presença global em gestão e automação, tecnologia em nuvem, monitoramento e integração digital.

Segundo Adriana, esta arquitetura enxuta permite às empresas tirar vantagem das melhores práticas industriais e dos processos de negócios automatizados neste núcleo digital, além da customização numa plataforma de integração na nuvem para aquilo que realmente seja necessário. “Isso traz muito mais agilidade no desenvolvimento de Tecnologia da Informação (TI), permite que o sistema da empresa acompanhe os avanços tecnológicos e a modernização de ambientes complexos, bem como viabiliza dados em um único lugar, que conversem e que sirvam tanto para operações transacionais quanto analíticas. Essa é a nossa ideia de arquitetura inteligente de uma empresa”, afirma.

Ela reforça que um dos principais ganhos trazidos pela automatização é que isso libera o capital intelectual nos negócios para que esteja focado em novas ideias. “As grandes novas ideias e as transformações vêm sempre das pessoas, mas a tecnologia tem papel fundamental de habilitação de tudo isso, para evitar atividades repetitivas, automatizar aquilo que não é inovador e liberar tempo para buscar novos modelos, atendendo melhor os clientes e cuidando melhor dos colaboradores.”

A empresa inteligente também deve ser diversificada. “Nas nossas soluções de Recursos Humanos (RH), a gente garante que em todo o processo de seleção não haverá nenhum tipo de viés na formação [de escolha] dos candidatos. Com o aprendizado de máquina, também conseguimos garantir processos mais isentos, trazer o olhar da diversidade. Contudo, não é apenas uma questão de ter pessoas diversas, mas ter também um ambiente que permita criar inclusão.”

Ela ainda reforça que a integração é fundamental para a inovação. “Pessoas iguais tendem a pensar igual. Pela natureza do negócio de tecnologia, a gente precisa do pensar diferente.  E isso traz resultado tanto financeiro quanto de engajamento. Quando refletimos melhor a sociedade à qual servimos, também conseguimos nos conectar mais com ela.”

Quanto à equidade de gênero, Adriana comenta que o objetivo da SAP é chegar a 2023 com 30% de mulheres em posição de liderança – e com 50% até 2030. “É um conjunto de ações que irá garantir que a gente chegue lá: atrair as mulheres; garantir diversidade nos processos de seleção; equidade salarial para homens e mulheres com as mesmas responsabilidades e um programa de mentoria para aceleração do desenvolvimento às mulheres contratadas”, sinaliza.

Assista na íntegra! Inscreva-se no   canal UM BRASIL.

Mais Vistos
Fique por dentro de todo conteúdo
UM BRASIL
Assina a Newsletter um Brasil