Fechar
Play Video

Concentração no mercado de pagamentos atravanca pequenos negócios

DEBATEDORES | Augusto Lins

“O mercado de pagamentos e a indústria financeira, no Brasil, são muito concentrados. O resultado disso, ao pequeno e ao médio empreendedor, sempre foi uma realidade muito dura, com pouca opção e um serviço prestado de baixa qualidade, caro e no qual não se via muita transparência ou inovação”, afirma Augusto Lins, presidente da Stone Pagamentos, uma das principais fintechs do País – companhia que abriu capital nos Estados Unidos há cerca de dois anos.

Em entrevista ao canal UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, ele avalia como foi para a Stone crescer em um ambiente concentrado e verticalizado – e como a busca por um mercado mais centrado em soluções aos clientes foi uma oportunidade para que a fintech se expandisse. “Nestes últimos anos, tivemos um crescimento com rentabilidade e mais participação, mais share. Muitas empresas crescem e muitas são rentáveis, mas uma combinação desses dois fatores é muito mais difícil”, frisa Lins.

Para que a fintech atingisse este resultado, a abertura de capital no exterior foi fundamental. Entretanto, Lins comenta que esse não deve ser apenas um objetivo, mas uma etapa no crescimento de uma companhia, já que há uma dependência de recursos de investidores. “Nós escolhemos abrir o capital na Bolsa americana. Foi um desafio, pois tivemos de evoluir quanto à governança, controles e processos e gestão de risco, além de nos adaptarmos a padrões extremamente elevados. O resultado foi que a companhia amadureceu, e isso dá mais confiança aos gestores e aos investidores”, pontua ele.

Quanto ao ambiente de negócios em meio à pandemia, Lins avalia que, embora muitas empresas tenham ficado pelo caminho, as que já tinham maturidade digital conseguiram contornar a crise e sair na frente. “Nós vamos sair disso como um país que está se digitalizando e mais atento às questões da nossa localidade, ao [apoio] aos negócios locais”, complementa.

Segundo o presidente da Stone, é fundamental que o governo leve adiante uma mudança profunda nas condições do ambiente de negócios. “Para o ano que vem, precisamos tirar da frente o nosso gargalo tributário. Temos de acelerar as reformas Tributária e Administrativa. De um lado, pagamos muitos impostos; do outro, a questão administrativa do Brasil [nos] onera muito”, reforça.

Assista na íntegra e se inscreva no canal    UM BRASIL.

Foto: divulgação

Mais Vistos
Fique por dentro de todo conteúdo
UM BRASIL
Assina a Newsletter um Brasil